A pandemia causada pelo novo coronavírus impôs uma nova realidade para o sistema educacional: as aulas online. As aulas remotas vieram pra ficar, afinal, mesmo com o retorno das aulas presenciais, a plataforma ainda deve ser utilizada de forma complementar. Mas, você já está 100% adaptado a esse novo modelo?

Neste período de implantação e adaptação ao novo formato, muitas escolas se deram conta que transmitir aulas online não é simplesmente ligar a câmera e começar a explicar o assunto. Passar o conteúdo via internet vai muito além disso. Por não haver a interação, o olho no olho, o quadro branco e todos os outros elementos que facilitam o entendimento do aluno em sala de aula, é preciso um planejamento maior do que as aulas presenciais exigem. E, assim como nas aulas presenciais, o universo virtual pode sempre ser aprimorado constantemente.

“A distância traz diferenças, sobretudo, com relação à diversidade dos alunos. Até o tom da voz precisa ser ajustado. Existe uma descoberta no dia a dia. Por isso, o domínio da ferramenta utilizada para transmitir a aula online é muito importante, pois abre um leque de possibilidades. Apesar do momento emergencial, temos que entender que este é um formato que veio para ficar. Não integralmente, mas são ferramentas que poderão ser utilizadas na sala de aula presencial. Vencemos uma barreira e é importante para educação nos modernizarmos. O dinamismo que o online tem trazido vai ser cobrado no presencial”, afirma a gestora pedagógica do Colégio GGE, Anabelle Veloso.

Nos últimos meses, diante do desafio das aulas online, as escolas precisaram a todo instante resgatar estratégias mais lúdicas de captação e envolvimento das crianças e jovens para que tudo seja adaptado à ferramenta de transmissão escolhida. Para isso, foi preciso lançar mão de vídeos, imagens e objetos coloridos, músicas e atividades de interação, para os menores, além de construção e criação, para os maiores. Dessa forma, a elaboração da aula é feita de maneira linear, de modo a mesclar exposição dos conteúdos e a utilização de recursos virtuais e audiovisuais.

Os cuidados devem sempre perpassar pelo feeling da turma. O professor precisa estar ainda mais atento e sensível acerca de como os alunos têm aprendido e quais as adaptações necessárias para alcançar as turmas. Por isso, as reuniões pedagógicas, discussões dos planejamentos e a mentoria da coordenação devem ser intensificados nesse período, pois as melhorias a serem implantadas diante desta realidade virtual requerem uma velocidade muito maior do que a presencial”, enfatiza Nayana de Paiva, gestora da unidade GGE Boa Viagem.

Mas, apesar das aulas estarem sendo ministradas no modelo digital desde março, ainda não houve tempo suficiente dos profissionais dominarem tudo que o mundo digital oferece. Por isso, listamos dez dicas imprescindíveis para você que busca aperfeiçoar as aulas virtuais, oferecendo um conteúdo diferenciado para os alunos e uma experiência ainda mais enriquecedora para o seu currículo.

Confira a seguir dez dicas para ajudar sua escola oferecer aulas online mais ricas e inovadoras:

  • 1 - Treinamento

A implantação das aulas online se tornou um desafio diário e todos os profissionais envolvidos já perceberam que o treinamento e domínio da ferramenta de transmissão é peça-chave neste processo. Por isso, a plataforma de transmissão das aulas deve ser sempre explorada. O treinamento da equipe deve ser constante para que todos tenham a segurança necessária para o bom desempenho das atividades. Toda a parte técnica precisa ser minuciosamente detalhada com os professores e todos os funcionários que estão participando das transmissões, oferecendo a segurança necessária para que eles consigam focar no conteúdo e no formato da explanação para os alunos.

  • 2 - Investir tempo na preparação do conteúdo

A grande maioria dos professores adotou a apresentação em PowerPoint para as aulas online, principalmente para as disciplinas de humanas. Porém, essa não é uma regra. Assim como na sala de aula presencial, no universo online cada professor tem a liberdade de escolher o que será exibido durante a explanação. Mesmo estando em casa, muitos profissionais, principalmente os de Exatas, têm optado pelo uso do quadro branco, por exemplo. São escolhas. O que importa é que o professor esteja seguro e que o aluno consiga compreender o que está sendo passado.

O problema é que muitos professores estão acostumados a dar aquele conteúdo em sala de aula há anos e, por isso, acreditam que não é preciso adaptá-los para o formato online. Mas, agora, a preparação é muito necessária e demorada, pois nem sempre o formato utilizado no presencial funciona em um ambiente virtual. Por isso, a dica é pesquisar ferramentas digitais que podem ser utilizadas para que a aula fique mais interessante e prenda atenção dos alunos. É sempre bom lembrar que há uma série de novos recursos multimídia que podem ser ainda mais explorados.  Neste caso, a recomendação é o amplo domínio da ferramenta antes da aula. Além disso, é preciso tomar cuidado com algumas regras do universo digital, como os direitos autorais, por exemplo. Por isso, como falamos no tópico 1, os treinamentos devem ser constantes para garantir que o corpo docente e pedagógico esteja sempre antenado com todas as possibilidades de recursos que podem garantir a melhoria do processo de ensino-aprendizagem nas aulas remotas.  

Voltando para o quesito inovação, independentemente do recurso escolhido, o professor precisa sempre fazer o planejamento do conteúdo e o teste das aulas antes do horário programado, evitando problemas durante a transmissão ao vivo.

  • 3 - Interação e criatividade

Interação é uma marca do ambiente escolar e criar essa interação no ambiente virtual tem sido um desafio dos gestores diante das aulas remotas. Na prática, as aulas virtuais lançam mão de um universo de recursos que, por ora, ainda são distantes da realidade presencial. Então, é o momento de potencializar o uso desses recursos.

Nas transmissões ao vivo, por exemplo, apesar de não estarem um ao lado do outro, os colegas de classe se veem e, de certa forma, interagem. Então, esta é uma grande oportunidade para uma quebra do isolamento social. Dessa maneira, estimular uma conversa após cada aula, por exemplo, criará um ambiente virtual mais atraente, descontraído, e a escola poderá descobrir se os alunos estão absorvendo o conteúdo da forma correta.

É claro que para cada segmento de ensino, é necessário um tipo de interação e de estratégia. Para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental 1, por exemplo, são necessários, em média, 20 minutos de aula e o tempo restante ser destinado a interação do professor com os alunos. Neste caso, as aulas precisam fazer uso da interação, pois as crianças precisam desse momento para impulsionar o aprendizado. Além disso, as aulas devem ser pensadas no sentido de entender as atividades que podem ser desenvolvidas pelos pais e pelas crianças com o material que têm em casa.

Outro ponto importante é o cuidado com a abordagem. No Infantil, por exemplo, é preciso se preocupar com a personalização das aulas. Os alunos se identificam com um “bom dia” mais direcionado, ou com o uso de frases que aproximam o aluno do professor, como “estou com saudades”, ou uma chamada pelo nome.  Ter o momento da conversa com cada criança é uma estratégia eficiente para que o aluno se sinta acolhido. Além disso, no momento da aula, os professores podem usar e abusar de vídeos, de elementos coloridos, músicas, histórias… Usar o lúdico como aliado para fazer os alunos compreenderem e absorverem o conhecimento.

Já nas turmas que estão em uma faixa etária maior, a interação acontece de outra forma. A partir do Ensino Fundamental 2, por exemplo, as câmeras já não precisam estar ligadas o tempo inteiro. Os alunos, inclusive, preferem estar com elas desligadas. Nessa fase, a utilização de recursos multimídia auxilia muito o entendimento do assunto. Quer um exemplo? Que tal conhecer um museu virtualmente, com a realização de um tour guiado pelo professor? São atividades assim que tornam a aula mais dinâmica e produtiva. Já no Ensino Médio, os alunos precisam ter acesso a um número maior de exercícios. Então, as aulas podem ser construídas com foco na resolução de questões, ou com alguns minutos liberados para o tira-dúvidas das questões.

  • 4 - Dúvidas

Por falar em dúvidas, no modelo de aulas à distância, o momento do tira-dúvidas se tornou ainda mais importante do que no ensino presencial. Isso porque esta é uma forma do professor mensurar a compreensão dos alunos sobre o conteúdo. Por isso, separar um momento específico para resolução de questões é uma alternativa para conseguir um melhor andamento da aula. Muitos aplicativos permitem que o aluno tenha contato direto com o professor por meio do chat. Sendo assim, as perguntas podem ser feitas pelo chat e respondidas durante a aula pelo professor.

Nos aplicativos em que essa função é possível, o professor pode desabilitar o microfone dos alunos durante a explicação e, de tempos em tempos, liberá-lo para abordar as dúvidas. A realização da aula com os microfones de todos os alunos ligados pode gerar, inclusive, não só problemas de indisciplina, mas também dificultar a explicação do professor em razão dos sons produzidos em diferentes ambientes.

  • 5 - Medindo o aprendizado

“Será que os alunos estão compreendendo os assuntos abordados?”. Esta tem sido uma dúvida constante das escolas. E existem muitos recursos que podem ser adotados para aferir o aprendizado e minimizar essas dúvidas. A realização dos simulados online é uma maneira que os professores têm de medir a absorção do conhecimento. Além disso, é possível indicar exercícios a serem realizados no momento pós-aula, assim como o indicativo de material complementar, como vídeos, livros, filmes… Conteúdos mais lúdicos e complementares ao tema que está sendo tratado em sala de aula.

Uma ferramenta que integra a plataforma V4 pode ajudar muito nesse processo de aferição de aprendizagem: trata-se do Exame de Verificação de Aprendizagem (EVA), um simulado elaborado por uma banca de professores do Sistema de GGE de Ensino, que é aplicado para verificar se as notas das avaliações são um reflexo real do conhecimento adquirido acerca do conteúdo programado para a disciplina. O objetivo é favorecer um trabalho preventivo, diagnosticando, com antecedência, as disciplinas e respectivos conteúdos que os alunos precisam aprimorar. A ferramenta também possibilita aos professores ter um mapeamento real de aprendizagem de cada turma e de cada aluno, fazendo o docente enxergar o que precisa ser mais trabalhado para promover um melhor desempenho nos exames seguintes.

  • 6 - Pós-aula

O ambiente escolar está fazendo falta para todos. Inclusive para a aproximação entre professor e aluno. Nas escolas, o corredor funciona como um ponto de encontro entre alunos e professores. Nos intervalos, na entrada ou na saída, sempre há o momento para troca de ideias ou para tirar alguma dúvida. Com as aulas online, não há esses encontros, mas essa relação, essa troca ainda precisa acontecer. O professor deve mostrar disponibilidade e definir os meios pelos quais o aluno pode chegar até ele. Sejam em aulas extracurriculares, plantões de dúvidas virtuais ou até mesmo na troca de e-mails. O que importa é criar um vínculo também no ambiente digital.

  • 7 - Suporte nas salas virtuais

A segurança é um tema que vem sendo bastante abordado nos últimos meses. Mas, para que o professor tenha essa segurança não basta apenas o treinamento. Em todas as salas virtuais é essencial ter alguém que dê o apoio necessário em casos de imprevistos (queda de internet do professor, vazamento de aula, problemas no compartilhamento de conteúdo, etc.). Ou seja, além do professor, a aula precisa ser acompanhada por um coordenador ou supervisor da sala. São essas pessoas que podem também identificar os alunos que estão com dúvidas para abrir os microfones no momento certo, que podem dar o “Bom Dia” para a turma, que fazem a ligação entre um professor e outro, ou até mesmo que assumem o comando da turma, caso seja necessário.

  • Feedbacks

Nas aulas presenciais, o feedback diário não é algo comum. Afinal, o termômetro é outro. Com as demandas do dia a dia, fica mais difícil acompanhar as aulas de perto. O mundo virtual dá essa oportunidade. Com a presença da equipe de suporte em sala, é possível identificar erros, compartilhar acertos e medir o sentimento da turma. E, como para a maioria dos professores essa está sendo uma experiência nova, ter retornos é essencial. Reuniões semanais com a equipe também são importantes para que os integrantes possam compartilhar o que observam, sanar dúvidas que existam e compartilhar os erros que precisam ser corrigidos.

  • 9 - Família

Na rotina presencial, a leitura e a discussão do planejamento das aulas sempre foi um movimento interno, em todas as escolas. Os professores elaboravam e depois discutiam, com os pares da própria série, a aplicabilidade daquele planejamento, clarificando os objetivos, recursos e abordagens a serem utilizados durante as aulas. Esse sempre foi um movimento de professor para professor. Com o advento da modalidade online, os pais entraram nesse percurso de modo a auxiliar os filhos diretamente na execução pedagógica das atividades propostas.

Todos sabem que essa é uma tarefa que requer um conhecimento técnico e a didática adequada para alcançarmos as crianças, e, por isso, é importante que a comunicação com a família aconteça constantemente. Os pais também estão em um momento difícil e precisam se sentir acolhidos. No Colégio GGE foi desenvolvido um projeto de consultoria pedagógica, voltado para o atendimento aos pais. Em linhas gerais, o programa consiste em uma conversa entre pais e professores, em que são apresentados como os conteúdos estão sendo trabalhados e quais as estratégias os pais podem utilizar em casa.

Assim, é disponibilizado um horário semanal para se conversar com as famílias acerca do que foi planejado para as aulas da semana seguinte, sobre a sequência didática e as competências a serem desenvolvidas. O objetivo não é formar tecnicamente os pais para executar a função do professor em casa, mas fazê-los entender um pouco sobre o objetivo das atividades, sobre o cronograma, o detalhamento das tarefas para que as crianças possam executá-las com autonomia, mas sob o olhar vigilante e mais refinado da família. Isso oferece um conforto maior aos pais e mães que estão imersos na rotina pedagógica nesse novo cenário.

  • 10 – Material didático

Assim como nas aulas presenciais, o material didático é a base de todas as aulas virtuais. O conteúdo traçado no material é o guia para professores e alunos. Por isso, é importante conhecer os livros e o material de apoio disponibilizado ao longo dos capítulos. No Sistema GGE de Ensino, as coleções Basis (Ensino Fundamental – Anos finais) e Mundus (Ensino Médio) são desenvolvidas para serem trabalhadas tanto no formato bimestral, como no trimestral.

Uma seção que pode agregar bastante às aulas virtuais é a chamada “Fora da Caixa”, disponível na Coleção Basis (Ensino Fundamental – Anos finais). O conteúdo aparece uma vez em cada volume, em todas as disciplinas (exceto na disciplina de Artes, em que as abordagens acontecem em todo o conteúdo) e sugere uma abordagem diferenciada que envolva uma das competências socioemocionais previstas na BNCC, tão importantes neste momento. Sendo assim, entre as propostas a serem trabalhadas em sala de aula, estão debates, trabalhos em grupo, sugestões de leituras, disponibilização de conteúdo extra, vídeos e outras ações, sempre relacionando o conteúdo didático com fatos cotidianos.

Vale ressaltar que o Sistema GGE de Ensino oferece para escolas parceiras, por meio do Sistema de Gestão Pedagógica V4, o e-classroom, uma sala de aula virtual que disponibiliza recursos de transmissão e acompanhamento das aulas online, bem como consultoria e treinamento para docentes se adequarem à nova realidade das aulas online. O e-classroom é uma plataforma completa, que permite interação eficiente entre professores e alunos, e, além disso, sua escola contará com todo suporte e treinamento dos professores pela equipe do Sistema GGE de Ensino.

O V4 oferece ainda uma visão estruturada e analítica de todos os sistemas pedagógicos, bem como de mecanismos que possam identificar oportunidades de melhorias, com base em processos de avaliação, interpretação de indicadores e entrega de feedbacks. Sendo assim, é possível identificar falhas e direcionar as ações dentro de toda a instituição de ensino, tornando-as mais efetivas e os métodos mais seguros.

Conclusão

Esperamos que essas dicas ajudem vocês, profissionais de educação, nesse momento tão desafiador e que exige uma produção diária de um conteúdo interativo, diferenciado e 100% online. Lembramos que o Sistema GGE de Ensino está à disposição com sua ferramenta de sala de aula virtual, o e-classroom, que certamente irá contribuir com o desenvolvimento das aulas online de sua escola.

0 respostas

Deixe uma resposta

Deseja deixar um comentário?
Seu comentário será bem vindo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *